O Portal de notícias de Porto Seguro

“Fraternos” reeditam “ciranda da propina” com trios-elétricos em Porto Seguro e São Mateus ES

0 1.130

A famigerada “ciranda da propina” desvendada pela PF (Polícia Federal) na operação fraternos, desencadeada pela PF, em novembro de 2017, que consistia no revezamento de empresas nas licitações realizadas nos municípios de Eunápolis, Porto Seguro e Santa Cruz Cabrália, e que apontou desvios na casa de 240 milhões do erário, em Porto Seguro, se apresenta, agora, travestida em trios-elétricos. Em vez de empresas se revezando em licitações, os fraternos estão usando os trios-elétricos, que se revezam nas cidades, com contratos milionários, desafiando a justiça, tapeando a população e, mais uma vez, se locupletando com vantagens indevidas.

Os prefeitos de P. Seguro e Eunápolis com as cantoras Simone e Simaira

O esquema parece ter sido montado com a administração da cidade de São Mateus- ES, onde o prefeito, Daniel Santana Barbosa (PSDB), de acordo informações de moradores, é proprietário de trios-elétricos, e os fraternos da Costa do Descobrimento, sabidamente, também proprietários de trios-elétricos. Daí formou-se a ciranda: os de lá tocam aqui e os daqui tocam lá.

Até aí, parece não ter nada demais. Ocorre que no meio desta ciranda se meteu uma empresa multifacetada, que presta serviços de coquetéis, organização de eventos, poda de árvores, receptivos em cerimonial, conservação e limpeza, jardinagem, e o que mais aparecer. Uma espécie de “pau pra toda obra”, e que, aparentemente, é a animadora da festa.

A Muliface LTDA, sim! É este o originalíssimo nome da multifacetada empresa, além de contratos com a prefeitura capixaba, celebrou diversos contratos com a prefeitura de Porto Seguro. Foram contratos para organizar o carnaval, em apenas 24 horas, de mais de 1 milhão e 200 mil reais; para realização de poda, também com valor superior a 1 milhão e 200 mil reais, mesmo sendo suspeita de fraudes em municípios do ES, como o de Mucurici, onde nos autos do pregão presencial 048/2017, na fase interna da licitação foi acusada de ter sido subsidiada pela informação de três empresas para formular o preço médio, estranhamente, duas de Linhares/ES; Multiface Serviços e Produções Ltda e a M & J Locações Ltda, pasmem, no setor de perfuração de poços artesianos.

Desta forma a fraternidade da Costa do Descobrimento vem burlando a transparência das licitações públicas e promovendo o rombo nas contas dos municípios, há muito detectado pelo TCM (Tribunal de Contas dos Municípios) que, Até o momento, rejeitou todas as contas da prefeita fraterna, Cláudia Oliveira, de Porto Seguro, e de Robério Oliveira, prefeito de Eunápolis.

É como dizia o poeta: “atrás do trio elétrico só não vai quem já morreu e quem aprendeu que é do outro lado, de lado, lado de lá”.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

× Envie uma