O Portal de notícias de Porto Seguro

‘Cadê os Yanomami’: mistério do sumiço de aldeia indígena mobiliza redes

0 2.345

Uma menina Yanomami de 12 anos foi estuprada por garimpeiros na comunidade Aracaçá. Dias depois da denúncia a aldeia foi queimada e 25 pessoas sumiram. Os indígenas foram exterminados ou estão em fuga na mata?

Segue sem solução mais um capítulo da “guerra” entre garimpeiros contra o povo Yanomami, em Roraima. Depois que uma menina ianomâmi, de 12 anos, morreu após ser estuprada por garimpeiros que exploravam ilegalmente terras indígenas, todos os 24 indígenas da comunidade Aracaçá permanecem desaparecidos e suas casas foram encontradas queimadas.

Mobilizando não só lideranças indígenas, o caso acabou também rompendo barreiras e repercutindo entre artistas, políticos e influenciadores digitais. A tag “CADÊ OS YANOMAMI” vem movimentando as redes nos últimos nove dias.

O estupro da menina e o desaparecimento dos indígenas vieram à tona, no dia em que a menina teria sido estuprada. A denúncia foi feita pelo presidente do Conselho Distrital de Saúde Indígena Yanomami e Ye’kwana (Condisi-YY), Júnior Hekurari Yanomami.

Depois do comunicado do líder, a Polícia Federal (PF) chegou até a comunidade Aracaçá, mas não teria encontrado ‘indícios de crime’.

A Hutukara Associação Yanomami (HAY) informou que está acompanhando a investigação e cobrou que as autoridades tirem os garimpeiros ilegais das terras indígenas. “Essas e outras graves violações de direitos dos povos indígenas causadas pelo garimpo ilegal em suas terras há anos vêm sendo denunciadas ao poder público. Insistimos que o Estado brasileiro cumpra seu dever constitucional e promova urgentemente a retirada dos invasores”, diz.

De acordo lideranças dos povos originários são cerca de 40 mil garimpeiros ilegais em terras Yanomami. Até o momento, o Estado brasileiro tem se mostrado impotente para frear esse avanço ilegal nas terras Yanomami. Imagens reveladas pela Polícia Federal na busca pelos indígenas mostram aviões e helicópteros dos garimpeiros nas reservas Yanomami, e mesmo assim, diante da constatação, nenhuma ação foi implementada naquele momento.

As reservas têm sido alvos de invasores para ampliação da agricultura, pecuária, mineração e um rol de atividade ilegais.

São danos irreparáveis; um verdadeiro clima de terror. É água contaminada por mercúrio, falta de comida, exploração sexual de menores e todo tipo de violência. Uma tragédia humana com repercussão nacional e internacional

Segundo o Condisi-YY, é comum que após a morte de um ente querido, os indígenas deixem suas casas e procurem outro lugar para viver. A PF informou que continua a investigação.

A aldeia é de difícil acesso – leva-se cerca de 1h15 de vôo saindo de Boa Vista até Waikás, mais 30 minutos de helicóptero ou cinco horas de barco pelo rio Uraricoera.

De acordo com lideranças indígenas, garimpeiros teriam comprado o silêncio das vítimas com ouro. Isso porque, sem nenhuma base de proteção permanente da Funai, o garimpo se mantém como o principal indutor da violência na região.

O Ministério Público Federal (MPF) também comunicou que a apuração segue em andamento.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.