O Portal de notícias de Porto Seguro

Com 661 mil mortos e 30 milhões de casos registrados, Bolsonaro anuncia o fim do estado de “emergência sanitária” por causa da Covid 19

0 2.224

O ministro da Saúde, Marcelo Queiriga  anunciou neste domingo (17/04) o fim do estado de “emergência sanitária nacional” por causa da Covid-19 , instaurado em fevereiro de 2020. A decisão marca o fim de medidas impostas ainda no início da pandemia, mas não o fim da pandemia em si, essa é de responsabilidade da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Neste domingo, o país registrou 2243 casos confirmados e 18 mortes . A média móvel de mortes por Covid no Brasil chegou a 100, a menor desde 5 de janeiro).

Marcel Queiroga, atual Ministro da Saúde

De acordo com Queiroga, ainda será editado “nos próximos dias” um “ato normativo” que explicará exatamente quais serão as medidas adaptadas após o fim da declaração.

Com o fim da emergência em saúde pública, o Ministérios da Saúde  estima que mais de 2.000 normas caiam em todo o país, como a possibilidade de comprar medicamentos” e insumos médicos sem licitação.

Nesta reportagem, veja em 7 pontos o que é e o que pode mudar com o fim da emergência:

  1. O que é Emergência de Saúde Pública de Importância Nacional?
  2. Quando acaba a emergência sanitária?
  3. Por que a medida sanitária foi criada?
  4. Isolamento, quarentena e vacinação: o que diz a Espin?
  5. O que levou ao fim do estado de emergência sanitária?
  6. O que dizem os especialistas?
  7. Qual a diferença entre pandemia e endemia?

 

  1. O que é Emergência de Saúde Pública de Importância Nacional?

O estado de “Emergência de Saúde Pública de Importância Nacional”, também chamado Espin, é considerado o nível máximo de risco da doença no Brasil.

Ele entrou em vigor em fevereiro de 2020, poucos dias depois de a OMS declarar emergência internacional de saúde pública.

A norma permitiu que o governo federal e os governos estaduais e municipais tomassem uma série de medidas, como o uso obrigatório de máscaras e a autorização emergencial para vacinas.

Presidente Bolsonaro com dificuldades de colocar máscara

A OMS ainda não reavaliou a situação de emergência internacional. E não há um prazo para isso. Mas cada país pode decidir sobre a sua situação com base na situação epidemiológica de seu território.

2. Quando acaba a emergência sanitária?

A TV Globo apurou que, com uma nova portaria, o governo pode estabelecer um prazo, de 30 a 90 dias, para que os órgãos públicos se adaptem.

Ou seja, as normas em vigor atualmente não perderiam a validade de imediato. E algumas poderiam ser prorrogadas.

O Ministério da Saúde  pediu à Anvisa, por exemplo, que autorize a manutenção, por até um ano, do uso emergencial de alguns produtos para combater a Covid-19, como a vacina CoronaVac.

3. Por que a medida sanitária foi criada?

A medida sanitária foi criada para diminuir a burocracia para contratações temporárias de profissionais de saúde, aquisição de bens e contratação de serviços.

Com ela, ficou prevista a dispensa de licitação e autorizou a importação de produtos sem registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Entre as normas que poderão ser afetadas com o fim do estado de “emergência sanitária nacional” estão, por exemplo, a do uso de máscaras, do teletrabalho, e da regulamentação da telemedicina.

Mandetta, Teich e Pazuello, três ex-Ministros da Saúde do governo
  1. Isolamento, quarentena e vacinação: o que diz a Espin?

As normas aplicadas sob o estado de “emergência sanitária nacional” regulamentaram o isolamento, a quarentena, e a realização compulsória de exames médicos e vacinação.

Além disso, as normativas autorizaram a aplicação de medicamentos e vacinas para uso emergencial e a possibilidade de restrição da entrada e saída do país.

Não está claro, até a última atualização desta reportagem, como os decretos e medidas poderão ser atingidos independentemente.

  1. O que levou ao fim do estado de emergência sanitária?

Em seu pronunciamento, o ministro falou que com a alta taxa de vacinação no país – com cerca de 73% da população vacinada – além de uma melhora no cenário epidemiológico, foi possível decretar o fim da Espin.

Em março, o ministro havia dito que era preciso ao menos três fatores para a sua revogação:

  1. Cenário epidemiológico favorável, com queda nos casos e mortes
  2. Estrutura do sistema hospitalar, principalmente das UTIs desafogadas
  3. Acesso a medicamentos eficazes contra a Covid-19 na fase inicial

Queiroga reiterou, no entanto, que o fim do estado de emergência não significa o fim da pandemia – e nem citou a possibilidade de considerar a Covid-19 uma endemia no Brasil.

 6. Não é melhor momento, segundo especialistas

Especialistas avaliam que, apesar da redução recente das infecções, este ainda não é o melhor momento para revogar a portaria de emergência da saúde pública no Brasil.

A pneumologista e pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) Margareth Dalcolmo disse à TV Globo que a medida é retórica.

“Eu acho que essa retórica, digamos assim, de terminar por decreto a emergência sanitária não é ainda adequada no Brasil”, disse Dalcolmo.

Uma das preocupações dos especialistas é que o fim da emergência acabe com a exigência do passaporte vacinal para entrar em certos lugares.

Gonzalo Vecina, ex-presidente da Anvisa e médico sanitarista, aconselha os brasileiros a manterem as medidas de cuidado e prevenção, como lavar as mãos e usar máscaras em lugares com aglomeração.

“É fundamental que as medidas higiênicas continuem valendo para nós individualmente. É uma medida civilizatória que cada um de nós tem que tomar”, afirmou o especialista.

  1. Qual a diferença entre pandemia e endemia?

No mês passado, o ministro da Saúde chegou a falar sobre o rebaixamento de pandemia para endemia, assim como o presidente Jair Bolsonaro.

Endemia é o status de doenças recorrentes, típicas, que se manifestam com frequência em uma determinada região, mas para a qual a população e os serviços de saúde já estão preparados.

Pessoas se vacinando em Porto Seguro-BA

  • Em 16 de março, Bolsonaro afirmou que pretendia alterar, até 31 de março, o satatus da Covid-19 no Brasil.
  • Em 18 de março, Queiroga disse em Belo Horizonte que a pandemia deveria ser rebaixaxa até o início de abril
  • Desde março de 2020 a Organização Mundial de Saúde classifica como pandemia o cenário da Covid-19 no mundo.
  • Em janeiro deste ano, o chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, emitu alerta aos líderes mundiais que a pandemia de Covid-19 “não está nem perto do fim”
  • Fonte: G1 Notícias

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.