O Portal de notícias de Porto Seguro

Falta incentivo para o esporte em Porto Seguro

Bruno Cardoso relata sua luta para participar das competições

1 458

Uma das modalidades esportivas que mais cresce no Brasil é o Jiu Jitsu. No último domingo, dia 17 de Dezembro, aconteceu em Santa Cruz de Cabrália, o CAMPEONATO SUL-BAIANO DE JIU JITSU, organizado pela Federação Baiana de Jiu Jitsu – FBJJO – com a participação de 300 lutadores.

O grande vencedor do cinturão faixa preta, na categoria Campeões Absoluto, foi Charle Braga, da equipe Furia Top Team de Brasília. A cidade de Porto Seguro se destacou na faixa marrom, com Isaías Santos, da equipe Yamasaki  – Porto Seguro e na faixa branca com José Afonso, da equipe Halavanca.

A Equipe Cemilton Reis, de Porto Seguro, também representou bem a cidade. Um dos lutadores que conquistou o cinturão sendo Campeão Absoluto foi Adriano Moraes, pela faixa roxa. E na Premiação de Troféu para as três melhores equipes, a Cemilton Reis pegou o primeiro lugar.

Não é de hoje que a escola vem se destacando no Brasil e no mundo. Em Novembro, Bruno Alves da Cruz Cardoso foi vice campeão do sul americano de Jiu Jitsu, o segundo maior campeonato do Brasil, que foi realizado em Barueri, São Paulo.

Master 1, faixa roxa, peso galo até 57,50 kg., Bruno Cardoso treina com o Mestre Cemilton Reis e o professor Bruno Lopes. Ano passado, foi campeão brasileiro em São Paulo, campeão Internacional de Masters, no Rio de Janeiro e campeão mundial em Fortaleza. O atleta conta que é uma alegria enorme representar Porto Seguro nestes campeonatos. Ele nasceu em São Paulo, mas vive em Porto Seguro desde os sete anos. É formado em Contabilidade e Pós-graduado em Auditoria e Controladoria. Segundo ele, o esporte na cidade e na região tem crescido muito, mas falta incentivo dos governantes e os empresários que poderiam ajudar mais. Para poder participar de algumas competições, ele conta com o patrocínio da Yamaji Cacau, de Curitiba. “Gostaria de participar do Campeonato Europeu de Portugal, em Janeiro, mas não tenho recursos para isso. Nunca ganhei dinheiro com o Jiu-Jitsu, na maioria das vezes, tiro do meu próprio bolso para representar a cidade e o País. Neste ano, fui para Portugal e fiquei em quarto lugar no Europeu. Fiz rifa, feijoada e pedi ajuda a alguns amigos”, desabafa o esportista. Ele se afastou do Jiu Jitsu para estudar e trabalhar e voltou a treinar há apenas três anos e a competir há dois anos. Chegar no ranking da Federação Internacional entre os 30 melhores do mundo é um resultado surpreendente em tão pouco tempo e o atleta declara que não para por aí. Em 2018, quer ser bicampeão brasileiro, no mês de abril, em São Paulo, e vencer também no Internacional de Master, no Mundial de Las Vegas, Estados Unidos e de novo no Sul Americano. Por isso, pega pesado nos treinos três vezes por semana e faz funcional nos finais de semana. Não participou do Campeonato em Cabrália, pois não tinha luta para sua categoria.

  1. Hudson Andrade Diz

    Parabéns ao atleta!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.