O Portal de notícias de Porto Seguro

Sob nova direção, Câmara realiza 1ª sessão ordinária do biênio 2019/20 em Porto Seguro

0 307

Após idas e vindas, manobras e tentativas nada republicanas de boicotar a eleição da nova mesa diretora da Câmara de Porto Seguro, aconteceu nesta quinta-feira, 07/02 a 1ª sessão ordinária do biênio 2019/20.

Já sob o comando de Ariana Prates, presidente; Lázaro Lopes, vice-presidente; Bolinha, 1º secretário e Robério Moura, 2º secretário, a sessão transcorreu com o mesmo rito das anteriores, tendo como única inovação, a leitura dos requerimentos, que antes eram feitos em bloco, e agora passaram a serem lidos individualmente, e a eliminação do painel eletrônico, cujo contrato foi cancelado.

Vereadores Élio Brasil e Van Van

A alteração na leitura dos requerimentos foi defendida pelos vereadores Élio Brasil e Cacique Renivaldo, que viram na medida a oportunidade do vereador fazer sua defesa mais enfática da proposição e facilitar para o público a identificação do vereador que a encaminhou. Entretanto, a bancada governista, à exceção do líder, Dilmo Santiago, criticaram a alteração com a alegação de que haverá momentos em que a sessão se estenderá devido ao número de requerimentos apresentados.

No pequeno expediente, aqueles que fizeram o uso da tribuna, o fizeram para elogiar o volume de obras que estão acontecendo em todo o município. A exceção ficou por conta do vereador e 2º secretário da Casa, Robério Moura, que não poupou críticas à administração ao denunciar o estado de abandono de Trancoso e dos distritos da Orla Sul. “Aqui em Trancoso nada acontece. Daqui a pouco vão colocar a culpa nas chuvas. Porque não fazem antes. São ruas precisando de aterro; o trânsito um caos. Tá faltando boa vontade. É preciso enxergar Trancoso com seu potencial turístico que representa”, desabafou o vereador Robério Moura.

Moradores do assentamento Ibiruçu de Dentro, presentes na sessão

Numa “questão de ordem”, o vereador Rodrigo Borges, corajosamente, se posicionou sobre o modelo de votação na Casa, “Temos que acabar com o voto secreto aqui. O voto tem que ser aberto para que todos saibam qual a posição do vereador”, afirmou Rodrigo Borges.

É bom lembrar que essa questão do voto aberto foi um dos expedientes usados pela bancada da prefeita na Casa, com o claro propósito de catimbar e postergar o processo eleitoral, naquele momento, com um mandado de segurança impetrado pelo vereador Wilson Machado, evidentemente orientado pelos “fraternos”, cobrando o voto aberto na eleição, quando o RI (Regimento Interno) previa o voto secreto. Resta saber se o exímio democrata Wilson Machado tem a mesma opinião sobre a votação das contas da prefeita Cláudia Oliveira, que devem ser pautadas a qualquer momento. “Pau que dá em Chico dá em Francisco”. Vamos aguardar!

Ao final, os vereadores se envolveram num entrevero sobre horário das sessões e estacionamento para os veículos dos “edis”. Com relação ao horário das sessões, creio que a presidente precisa avaliar a questão sobre a ótica da população, não levando em conta as dificuldades individuais de cada vereador como sugeriu o vereador governista Geraldo Contador. Sobre o estacionamento para os “edis”, enquanto não se definir um local, sugiro que os vereadores paguem para estacionar seus veículos como qualquer cidadão, Não é possível que, uma vez por semana, um vereador não possa desembolsar cerca de dez reais por um período de duas, três horas para cumprir seus compromissos.  

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

× Envie uma