O Portal de notícias de Porto Seguro

Atriz Regina Duarte deixa a Secretaria de Cultura do governo Bolsonaro

0 930

A atriz Regina Duarte deixou o cargo de secretária especial de Cultura do Brasil. Ela vai assumir o comando da Cinemateca em São Paulo, o que chamou de “presente”. O anúncio foi feito em um vídeo publicado pelo presidente Jair Bolsonaro em que os dois aparecem lado a lado, negando que houve uma “fritura” da então secretária pelo governo.

“Regina Duarte relatou que sente falta de sua família, mas para que ela possa continuar contribuindo com o Governo e a Cultura Brasileira assumirá, em alguns dias, a Cinemateca em SP. Nos próximos dias, durante a transição, será mostrado o trabalho já realizado nos últimos 60 dias”, escreveu Bolsonaro.

No vídeo publicado, os dois tentam brincar com os relatos de que Regina vinha sendo “fritada” por Bolsonaro. “Vim aqui perguntar ao presidente se ele está realmente me fritando… Tá me fritando, presidente?”, diz, sorrindo. “Toda semana, segundo a mídia, tem sempre um ou dois ministros sendo fritados”, critica Bolsonaro. Ela então diz que acaba de “ganhar um presente” “que é um sonho de qualquer pessoa de comunicação, de audiovisual”, contando então que vai assumir o comando da Cinemateca. 

“Vou ficar ali, secretariando o governo dentro da Cultura, na CInemateca. Pode ter um presente melhor que isso?”. Bolsonaro diz que Regina quer ajudar o Brasil e que deseja a felicidade dela. “Fico muito feliz com isso. Chateado, porque você se afasta do convívio nosso em Brasília..”, diz.

A atriz relata estar sentindo saudades da família. “Tô sentindo muita falta dos meus netos, dos meus filhos, minha família, à qual fui sempre ligada. Então é um presente duplo: a CInemateca e também estar próxima da minha família, que eu to desejando muito”.

Durante sua gestão, Regina foi criticada por colegas por vários motivos, incluindo não emitir notas de pesares após mortes de nomes significantes da cultura e por não anunciar nenhum auxílio para a classe durante a pandemia do coronavírus.

A saída de Regina do governo representa uma derrota da ala política do governo para a ala ideológica, que tem como seu maior expoente,o empresário, Olavo de Carvalho. Há tempos esse setor do governo vinha cobrando a substituição da secretária que, de acordo seus representantes, não conseguiu unir a classe cultural e nem purificar a pasta das ideologias de esquerda.

Nesses 60 dias no governo, a atriz, que abandonou as novelas da Globo para participar da “chanchada” política, teve um papel de coadjuvante mais rápido e hilário de sua carreira, contrastando com a saudável lembrança da “viúva Porcina” em Roque Santeiro.

Na tarde de ontem, Bolsonaro almoçou com o ator e provável sucessor de Regina na pasta, Mario Frias, no Palácio do Planalto. O encontro ocorreu após Bolsonaro ter postado nas redes sociais um vídeo de uma entrevista de Frias concedida à CNN Brasil no qual ele fala sobre a atual secretária da Cultura, Regina Duarte e se oferece para o cargo.

Na entrevista, concedida no último dia 6, Frias diz que “torce por Regina”, mas se oferece para ajudar no governo caso haja uma mudança. “Pro Jair, cara, o que ele precisar eu tô aqui. Eu torço demais pra Regina, eu sou fã dela, mas pelo Brasil eu tô aqui, o que for preciso. Respeito o Jair demais, vejo o Brasil com chance de finalmente ser respeitado”, disse.

Por Informações: Correio 24 horas

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

× Envie uma